quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

A quem possa interessar

   

Existem diversos meios de se expressar ultimamente, você pode pintar o corpo e sair nas ruas gritando uma causa específica ou simplismente mudar o estatus do messenger para que as pessoas leiam, se interessem e se preocupem com o fato. O que intriga de verdade é porque temos essa  necessidade de conquistar um espaço que chame atenção e  que promova comentários criteriosos? Porque será que todos nós, incluindo os hipócritas que dizem não se importar, querem tanto estar nos holofortes, "da glória ou não".

O que acho mais curioso no meio desse furacão moderno são aqueles que dizem que falar de si mesmo pra chamar atenção não é mais efetivo, por exemplo, vou fazer um blog que fale do meu dia a dia, um diário virtual, ou... vou expressar em um livro minha auto biografia ilustrada. Se falar de nós mesmos não faz mais sucesso ( e previamente o sucesso e atenção são o principal objetivo aqui descritos ) sobre o que eu vou falar então, para não estar fadado ao fracasso?

Pensemos... vou falar sobre filmes, livros e música, afinal são assuntos populares e que todos podem se interessar, além do que pode causar alguns fóruns de discução e isso vai aumentar minha pseudo popularidade online, e de que forma falar sobre isso sem impor de forma evidente meus gostos, minhas verdades, meus conceitos e opniões definidas sobre o assunto ? como falar sobre isso ou sobre qualquer outro tema sem disnvicular minha personalidade e opniões? é obvio que quando nos expressamos, estamos mostrando ao mundo um fragmento do que nos pertence, ume vertente do " eu" que quer ser visto e explorado, seja por um livro da vida ou por um comentário vago no Facebook sobre a nova música da Alicia Keys que eu adorei.

A grande sinceridade aqui é que eu não entendo essa necessidade, de fazer e ser pelos outros.E a verdade é que não entendo como as pessoas fazem isso de forma piegas, atestando em cartório que não estão se expressando quando escrevem texto como estes que escrevo agora, que estão sendo indiferentes e ponto, que apenas atuam como meio de locomoção de comunicação.

Perceba que tudo que você faz e expressa será sobre você de uma forma ou de outra, e perceba que quanto mais você tentar se afastar dessa idéia mas perto de você ela vai estar, e o mais importante de tudo, perceba que não é um problema falar sobre você, só não espere que faça sucesso ,vire capa do New York Times ou acumule 7 milhões de seguidores no Twiter, porque isso quase sempre não acontece.

2 comentários:

Will disse...

Se continuar com esses textos maravilhosos com certeza voce chega no New York Times.

Marcelo disse...

Muitas vezes falamos de nós a fim de nos proporcionar algum conforto, seja ele qual for, ou para falar de uma conquista ou simplesmnete falar.... Na verdade o que queremos sempre é ter um pouco de atenção, atenção essa que nos proporcina momentos de alegrias, tristezas ou simplesmente companhia. Por fim, por mais que não fazemos propositalmente, ainda assim tudo o que fazemos ou falamos de alguma forma está relacionado conosco, seja na vida pessoal, no mundo corporativo ou até mesmo na vida afetiva. Não importa a forma de como agimos e falamos o que importa é que de qualquer forma estamos sempre falando algo relacionado a nós mesmo....

Marcelo Viola